2 0 1 7
29 de Abril

Esquerda ontem: Não vai ter Golpe!
Direita hoje: Não teve Golpe!

27 de Abril

Sim. HOUVE GOLPE! E não se trata de força de expressão, pois afora uma revolução, somente um Golpe de Estado pode criar tamanha alteração institucional num país. Só que o Golpe NÃO COMEÇOU COM O IMPEACHMENT! É isso que causa real confusão. Foi um processo mais sutil e mais prolongado, iniciado ao menos em 2013 e ainda não terminado, que em "banho maria" derreteu a normalidade jurídica e mergulhou o país num caos formal não visto há ao menos meio século.

Para quem não notou, não vivemos mais no mesmo país. Nosso "mundo" realmente acabou em 2012. Este é um pós-Brasil onde:

- Massas foram as ruas em manifestações inéditas justo na melhor fase econômica da história sem qualquer pauta reivindicatória discernível;

- Um massivo esquema de espionagem estrangeira invadindo as maiores empresas do país e todo o nosso sistema de tele comunicação foi tratado como algo sem relevância;

- Um Presidente da Câmara, antes de ser cassado e preso, subverteu por completo os ritos processuais e aprovou leis a base de golpes legislativos inéditos e desnorteantes;

- Uma operação policial desmantelou sem qualquer necessidade parques industriais, paralisou a nata de nossa produção e causou o mais brusco tsunami de desemprego já visto;

- Juiz de primeira instância comete crime direto contra o Executivo, afronta escancaradamente a Corte Suprema, ganha súbita competência sobre processos onde nenhuma das partes envolvidas são, ou dos acontecimentos se dão, em sua jurisdição e viola sistematicamente metade dos códigos e tradições legais existentes;

- O poder midiático assumiu função judicial ao mesmo tempo que seus crimes tributários são expostos à luz do dia e causa repúdio na sensibilidade moral da população, mas ainda assim segue liderando audiência;

- Procurador escrachadamente partidário faz audiência pública para expor detalhes de sua investigação e admitir que apesar de não haver evidências concretas, está convicto da culpabilidade do acusado (Não canso de repetir: ALGUÉM JÁ OUVIU FALAR DE ALGO SIMILAR em qualquer lugar do mundo?!);

- O legislativo reconhecidamente mais corrupto da história cassa mandato presidencial por um crime inexistente, estabelece uma insanidade absoluta chamada PEC 55 e segue legislando contra o interesse da maioria esmagadora da população, além de aprovar Emenda Constitucional por maioria simples;

- Manifestações populares, estas sim perfeitamente objetivas e alinhadas ao interesse claro da grande maioria da população, são brutalizadas por ordem superior de um modo jamais visto desde a ditadura;

- Processo judicial alega que um triplex em São Paulo, pertencente antes a um cooperativa paulista e depois a uma empreiteira baiana aliada do PT comprou materiais de construção em Curitiba nas mãos de uma empresa de uma tucana de tradição apesar de não haver evidência alguma de tais obras, nem de transação financeira, E QUASE NINGUÉM SEQUER ESTRANHA ISSO!

- Ritos processuais são acelerados absurdamente em ritmo de campanha eleitoral;

- Um Governador paulista com acusações de crime econômico tem seu processo tirado da justiça comum para a justiça eleitoral;

- Ex presidente, e presidenciável, é colocado na cadeia sem provas concretas por um crime teórico que viria a acontecer numa Dimensão Paralela;

- Eleitores fazem por conta própria a campanha prévia de uma candidato antes de ele sequer se lançar e ter proposta de governo, e continuam considerando-o um patriota após o mesmo bater continência para a bandeira de outro país! (De novo, ALGUÉM JÁ VIU ISSO ANTES?!);

- O atual presidente, que deveria ser chefe das forças armadas, é intimado pela Polícia Federal;

- Uma Intervenção Militar é decretada no mais famoso estado brasileiro (e curiosamente piora as condições de segurança pública);

- Pessoas, jornalistas inclusos, estão sendo presos por "crimes de opinião" e estudantes e trabalhadores presos por motivos irrelevantes sem sequer uma acusação compreensível (NÃO! Você não verá isso na mídia!);

- Greves são julgadas legais mas ainda assim impedidas de continuar;

- O Brasil toma de 7 a 1 numa Copa do Mundo!

Valei-me Renato Russo: QUE PAÍS É ESTE?!?!

26 de Abril - 16:55

Um dos melhores textos que já li sobre o assunto. Eleições 2018 e a Questão Brasil - Portal Legionário

26 de Abril - 13:25

Pessoal tem que parar com essa simplificação de que nossos problemas são para beneficiar os 1% mais ricos. PORCARIA NENHUMA! Qualquer um que ganhe perto de R$ 10 mil está nos 1% mais ricos, e isso são mais de 2 milhões de brasileiros, muitos dos quais sustentam uma família enorme só com esse salário e a grande maioria prejudicados pelo Golpe e pelas reformas.

Nosso problema estaria mais nos 0,001%, onde há uma elite verdadeiramente milionária que efetivamente se beneficia do fato do Brasil ser, para eles, um autêntico paraíso fiscal, embora até nestes haja muitos prejudicados com a quebradeira atual. E o problema maior certamente envolve os menos de 0,00001%, esta sim uma elite bilionária fora do alcance de qualquer prejuízo prático não importa o tamanho da destruição econômica que experimentemos.

São nesses que seguramente estão os que se beneficiam das ultrajantes demolições que o Estado e a sociedade brasileira estão sofrendo para maximizar os lucros do parasitismo rentista, e eles estão economicamente muito mais longe da base do 1% mais ricos do que estes estão dos assalariados ou mesmo dos miseráveis.

A diferença de renda e patrimônio quando se sobe a pirâmide econômica tende a aumentar em escala logarítmica, ou seja se do 1% para os 10% houver uma diferença de 10 vezes, dos 0,1% para os 1% essa diferença tente a ser dobrada, e dos 0,01% para os 0,1%, quadruplicada.

Por isso muitas pessoas se chocam ao saber que quem recebe um salário mínimo de carteira assinada no Brasil está, pasmem, ENTRE OS 20% MAIS RICOS DO MUNDO! Mundo esse, que diferente do que pensam os que só olham pra cima, não se resume a EUA, Inglaterra ou Japão. O MUNDO mesmo está na China, Índia, África (cada um desses com mais gente que aquilo que chamamos 'Ocidente' inteiro), bem como Indonésia e nos mais diversos rincões da Ásia.

Quer fazer um teste? Consulte sites como:

Global Rich List

How Rich Am I

Seu salário diante da realidade brasileira

Tenha o cuidado de selecionar bem as opções (no primeiro site o Brasil, seja lá por que, foi para o fundo da lista), cuidado com a diferença entre renda mensal e anual, e você notará coisas tais como que para estar entre os 10% mais ricos dos brasileiros você só precisa ganhar cerca de R$ 3.000 reais, o que numa família de 4 pessoas dá menos de um salário mínimo para cada um.

É preciso parar de acreditar que todo empresário é rico, que qualquer dono de padaria é burguês ou que qualquer funcionário público é uma elite intocável. A linha de corte que separa os TRABALHADORES (os que tem que trabalhar se não quiserem mendigar) e os RENTISTAS (que podem se dar ao luxo de viver de investimentos) está muito acima do 0,1% mais rico.

E mesmo nestes últimos há grandes distinções. Uma coisa é alguém acumular dinheiro ao longo da vida para então poder passar a viver dos rendimentos do que juntou. Outra bem diferente é herdar uma fortuna sem nunca ter precisado fazer nada para merecer isso, e mesmo sem jamais ter que trabalhar (só trabalha se quiser), terminará a vida com ainda mais dinheiro do que herdou, repassando fortunas cada vez maiores numa linhagem de privilegiados de berço cada vez mais ricos.

É para estes que existe um portentoso sistema econômico baseado em créditos infinitos que geram dívidas infindáveis, monumentais sistemas de "criação" de riqueza virtual para uma minoria que se apropria da riqueza real de uma imensa maioria, de 99,9999%, e que conta com vastos paraísos fiscais, isenções e desregulações para moverem suas fortunas para qualquer lugar do mundo onde mais lhes convir. São esses, por sinal, que financiam a mentalidade liberal.

Esse é o caso da elite bilionária, por sinal, que no mundo inteiro fica por volta de Duas Mil pessoas, a imensa maioria herdeira, e muitos que enriqueceram de modo duvidoso, a exemplo dos russos que "ganharam" estatais soviéticas monumentais na privataria da Perestroika.

Comparados a estes, Mark Zuckerberg, Elon Musk ou Larry Ellison, mesmo que não tenham nascido realmente pobres, são louváveis exceções.

25 de Abril - 20:22

Ação Avante
25 de Abril

De acordo com o discurso liberal, quanto maior a taxação (principalmente sobre os mais ricos), menores serão os investimentos. Aliás, eles afirmam que os mais ricos farão transferência de suas rendas para países com menores taxas e impostos.

Mas o que nos importa são os fatos. A Suíça, considerada um paraíso fiscal e um terreno fértil para banqueiros, cobra 40% de imposto sobre a renda anual. O Japão, uma potência industrial e tecnológica, tem a taxa exorbitante de 55,95% sobre a renda anual. E Israel, o país idolatrado pela Direita liberal, aplica uma taxa de 50% sobre a renda anual.

O Brasil, com uma carga tributária sobre a renda de 27,5% (liberais adoram mentir, dizendo falsamente que nossos impostos são os mais altos do mundo - na verdade, somos campeões em juros reais), não é uma potência industrial e tecnológica como o Japão e muito menos um paraíso de captação de investimentos como a Suíça.

Se taxas menores promovem crescimento econômico e mais captação de investimentos, por qual motivo a Nigéria e o Sudão não são economias desenvolvidas e grandes captadores de investimentos externos? Respectivamente, a Nigéria cobra uma taxa de apenas 24% sobre a renda anual e o Sudão meros 15%.

Os EUA, aliás, têm uma taxa anual de 37% (quase 10% a mais que o Brasil, 13% a mais que a Nigéria e 22% a mais do que o Sudão). A taxa japonesa é 28,45% maior do que a nossa (e mais do que o dobro). Sendo assim, segundo "grandes" centros "econômicos" como o MBL e qualquer página liberal, os EUA e o Japão são países "comunistas", certo? E o maravilhoso Sudão deve ser o maior exemplo de livre mercado. E Israel? É realmente uma "democracia", ou uma "terrível ditadura comunista"?

Não vamos usar o mesmo maniqueísmo dos liberais. Não vamos afirmar que quanto maior a taxação de um país, maior sua riqueza e seu desenvolvimento. Afinal, há países com taxação alta que são pobres, países com taxação alta que são ricos, países com taxação baixa que são pobres e países com taxação baixa que são ricos. O que estamos afirmando por meio de dados é que, diferente do discurso liberal, a taxação não é o único fator (e nem o mais importante) para atrair ou afugentar investimentos. O que importa é o contexto sócio-político e econômico: estabilidade governamental, segurança econômica, garantias de retorno do investimento, economia produtiva, boa infraestrutura e confiabilidade. É por isso que um investidor sério vai preferir colocar o dinheiro na Suíça, com 40% de taxa, do que num Sudão, com meros 15%. É por isso que o Brasil, sem planejamento e sem estabilidade, com seus 27,5% de taxa, não chega ao nível industrial do Japão, com o dobro dessa cota.

Se a premissa liberal estivesse correta, todos os investidores retirariam seus investimentos da Suíça e os depositariam no Sudão. E ninguém investiria no “terrível” Japão com quase 60% de taxa, mas sim na “maravilhosa” Nigéria.

Menos discurso, mais dados e fatos.


25 de Abril - 17:15

Agora é a vez dos lulistas começarem com: LULA SOLTO AMANHÃ!

25 de Abril - 12:34

Por que a nata do Capitalismo dos EUA banca o discurso privatista no Brasil?


a) São filantropos que querem nos ver altamente desenvolvidos;

b) Querem novos concorrentes disputando seus mercados;

c) Ainda acreditam num modelo fracassado em todo o mundo, inclusive no Brasil, lhe dando uma última chance de se mostrar superior;

d) SABEM QUE TODAS AS ANTERIORES SÃO FALSAS E QUEREM NOS FERRAR DE VEZ!


22 de Abril

Pessoal da esquerda interpreta mal essas famosas fotos de tucanos simulando hábitos alimentares populares. Acham que apenas querem dar uma de Lula e fingir que tem algo em comum com o povo. Mas isso é secundário.

Na verdade o objetivo principal é passar um recado justo para a mais refinada elite que jamais na vida vai passar perto de um ambiente similar, e o recado é: "Vejam só o sacrifício brutal que eu estou fazendo para chegar ao governo e defender os nossos interesses! Me apoiem poha!"

20 de Abril - 18:39

O que há de pior na condenação de Lula talvez seja algo que ninguém mais esteja se dando conta:

A INSTITUCIONALIZAÇÃO DO ABSURDO!

Quando algo que em circunstâncias normais deveria ser apenas uma piada, no máximo um exercício análitico de Reductio ad Absurdum, de repente vira fundamento judicial com potencial de se tornar jurisprudência. É mais que a "pós-verdade", é o pós surrealismo aplicado na prática jurídica! É não apenas dizer que o rei está usando uma roupa invisível, mas efetivamente institucionalizar a discussão do tecido imaginário e suas propriedades. A essa altura os mais envolvidos no Processo do Triplex, a começar pelos advogados de defesa, já devem estar até acostumados ao mundo da surrealidade onde um crime imaginário se torna "provado" por pérolas como reportagens da Globo (SIM! REPORTAGENS DA GLOBO VIRARAM PROVAS MATERIAIS!) ou o fato de 50 pessoas dizerem que ouviram falar que Lula era o dono (SIM! ISSO É UM DOS EMBASAMENTOS!), embora outras 50 dissessem o contrário e tenham sido ignoradas, o que torna aceitável até a condenação de bruxas à fogueira por magias inacreditáveis.

Os que estão mergulhados além da cabeça no delírio de uma esquizofrenia judicial já devem ter perdido a noção do real, e a mesma perda parece se alastrar pela sociedade inteira.

Em suas mais de 800 páginas a decisão de Sérgio Moro tem como fundamentação a Delação Premiada de Léo Pinheiro, um homem prematuramente envelhecido que após muita pressão, aceitou trocar uma pena de 26 anos em regime fechado por 3 anos em regime semi-aberto caso dissesse o que o juiz queria ouvir. A delação, porém não levou a nem uma única prova concreta, e este é aliás um consenso não desafiado nem mesmo pelos maiores entusiastas da condenação, que se baseou num montante de indícios que, pelo acúmulo, sugerem que a única explicação para tal montante seria a culpa em si.

Em suma, o princípio de que uma dúvida razoável favorece o réu foi invertido, pois existe apenas uma possibilidade razoável de haver culpa. Mas isso não é nada comparado ao fato de que mesmo que fosse absolutamente demonstrado que Lula efetivamente recebeu o imóvel reformado da OAS, ainda assim isso seria apenas um indício de que tal dinheiro teria se originado de propina e que ainda precisaria ser provada por uma cadeia de eventos que demonstrassem o crime de corrupção passiva por lavagem de dinheiro, o que assumidamente não houve pela promotoria nem pela sentença, não sendo a toa que se fala em 'convicções'. Da mesma forma como um aumento mal explicado do patrimônio de alguém é um indício de crime, ou um crime meramente tributário, mas nunca, por si só, uma prova de que tal recurso foi obtido de dinheiro roubado, uma vez que podem existir outras explicações.

SÓ QUE SEQUER ISSO ACONTECEU!? Pelo mais básico e primário princípio, alguém só pode ser proprietário de algo De FATO, e/ou De DIREITO, e do último não pode ser porque evidentemente não existe documentação alguma que dê posse do Triplex ao ex-presidente, havendo justo o contrário, e nem do primeiro porque ele não usufruiu dele em momento algum! Mesmo que ficasse absolutamente demonstrado que ele combinou sim recebê-lo após tudo reformado, mas desistiu na última hora, ela não teria concretizado o alegado crime em si.

Se alguém diz aos 4 ventos que vai deliberadamente matar alguém, adquire a arma, se dirige até a vítima na frente de todos reiterando sua intenção homicida, mas na última hora simplesmente desiste, essa pessoa pode até ser condenada por crimes como ameaça, condutas com vista ao crime ou mesmo tentativa de homicídio, mas jamais homicídio em si! Da mesma forma, Lula poderia até ser condenado por outros crimes, mas nunca de Lavagem de Dinheiro em si, visto que esta só se consuma com a entrada do recurso no patrimônio da pessoa.

Mas foi exatamente disso que Moro condenou Lula, E O FATO MAIS BIZARRO DE TUDO É QUE NEM O TRF4 ACEITOU A CONDENAÇÃO! Pelo contrário, a desprezou e substituiu por uma fundamentação não apenas diferente, mas contraditória, uma vez que Moro havia condenado Lula por Corrupção PASSIVA, inocentando-o de Corrupção ATIVA, e a Segunda Instância fez o absoluto contrário! Até porque não se pode ser o corruptor e o corrompido pelo mesmo crime ao mesmo tempo!

Só que em tal nível de delírio surreal, isso nem sequer foi percebido pela quase totalidade da sociedade. Moro foi um dos poucos que parece ter sentido pessoalmente o baque de ver sua sentença ter sido desprezada de modo tão vergonhoso, mas para sua sorte, ninguém mais o comentou, e hoje penso que nem seja por omissão deliberada, mas porque a capacidade de perceber o óbvio foi mesmo perdida!

Temos uma acusação com base em delação premiada que diz que Lula receberia recursos roubados na forma de um imóvel reformado que no entanto ele jamais recebeu, e que agora, se forem verdadeiras as imagens que tem sido recentemente circuladas, nem sequer a reforma ocorreu! Como eu disse em inCompetência e Presciência da Vara de Curitiba, é o PRÉ-CRIME de Minority Report aplicado à realidade, embora sem a tecnologia de premonição!

Ora, não é questão de não haver provas. Uma condenação sem provas ainda pode ser plausível de acordo com os indícios. O problema é O FATO DA PRÓPRIA ACUSAÇÃO EM SI SER ABSURDA! Uma irracionalidade surreal impossível de ser sequer debatida devido a suspensão de qualquer critério de pensamento válido. Fica o desafio de se achar algo remotamente parecido não só no histórico judiciário brasileiro, mas do mundo.

Ser condenado por um crime no Futuro do Pretérito, sem que existam nem mesmo provas vindouras, e ainda por cima perder a noção da distinção desde com o Presente, ultrapassa o mais surreal ficcionismo!

Não é a toa que não se vê uma única análise jurídica que claramente defenda a validade da sentença, pois a qualquer um que se debruce sobre o processo, e muitos juristas o tem feito, só resta a absoluta perplexidade.

Mas até esses perplexos ainda estão aquém da percepção da gravidade da situação. O surreal transcende a sentença! A Caixa de Pandora da insanidade foi aberta! A esquizofrenia foi elevada ao grau de heroísmo e santidade, e a maioria não é capaz sequer de se dar conta de que a mais delirante fantasia se amalgamou com a realidade.

20 de Abril - 11:27

Dissidência Política do DF
20 de Abril

A Universidade de Brasília está sitiada, sobre ela recai o projeto de sucateamento do ensino público superior.

A UnB nasceu do sonho de dois grandes visionários brasileiros, o antropólogo Darcy Ribeiro e o educador Anísio Teixeira, com a promessa de forjar educação e produção de conhecimento de excelência bem como desenvolver tecnicamente o Centro-oeste, fundamentada no princípio da autonomia. Autonomia essa que vem sendo minada pelos terríveis cortes orçamentários e a nova política do MEC que visa retirar das universidades públicas suas principais fontes de financiamento estatal baseada na Emenda Constitucional 95 (anterior PEC 55) que define o limite máximo que o governo pode investir em áreas críticas como saúde e educação pelas próximas duas décadas.

É preciso ressaltar o teor ideológico dessa política econômica. O Brasil vive sucessivas investidas rumo ao neoliberalismo selvagem que visa o desmonte do Estado brasileiro. Resultam daí medidas que vão desde a demissão em massa de trabalhadores até o corte de bolsas de pesquisa e pós graduação na tentativa de enxugar os gastos para que a universidade continue a funcionar. Não é preciso dizer que tais medidas afetam diretamente não só a qualidade, mas a possibilidade de se promover educação. Há estudantes, da graduação e pós-graduação, que precisam necessariamente dos auxílios e bolsas oferecidos para permanecerem em condição de estudarem e pesquisarem e até se manterem na faculdade.

A UnB, que é uma das universidades mais importantes e prósperas da América latina, é um símbolo de produção de conhecimento, interação e transformação social, e seu desmonte visa aprofundar as contradições políticas e econômicas da sociedade brasileira. O projeto de nação em vigor é da completa miséria cultural e material para o povo, e um paraíso para oligarcas e cleptocratas em função do capital estrangeiro. Portanto nosso papel é denunciar e lutar pelo bem público.

"O ruim no Brasil e efetivo fator do atraso, é o modo de ordenação da sociedade, estruturada contra os interesses da população, desde sempre sangrada para servir a desígnios alheios e opostos aos seus… O que houve e há é uma minoria dominante, espantosamente eficaz na formulação e manutenção de seu próprio projeto de prosperidade, sempre pronta a esmagar qualquer ameaça de reforma da ordem social vigente” Darcy Ribeiro.

www.facebook.com/DissidenciaPoliticaDF

dissidenciapoliticadf.blogspot.com.br


18 de Abril

"Baixo índice é proporcionado pela preponderância de empresas estatais e alta taxa de sindicalização." Belarus tem taxa de desemprego de 0,5% pelo quinto ano seguido

17 de Abril - 16:02

Dissidência Política do DF
17 de Abril

Palestra "A CRISE NA SÍRIA E SEU CONTEXTO HISTÓRICO E GEOPOLÍTICO"

Com o Embaixador da República Árabe da Síria MOHAMAD KHAFIF

Dia 24/04/18, 14:00, Terça-Feira, na Universidade de Brasília, Instituto Central de Ciências (ICC) Anfiteatro 9.

www.facebook.com/DissidenciaPoliticaDF

dissidenciapoliticadf.blogspot.com.br


17 de Abril - 14:55

André Luiz Dos Reis
17 de Abril

''O liberalismo entre nós não surge como demanda de setores burgueses ciosos de garantir espaços de autonomia e ação contra uma ordem estamental e elitista. Dá-se aqui precisamente o contrário. O liberalismo passa a ser o ideário do “mandonismo privado”. Já no século XIX, o liberalismo tem esse sentido de recobrir com palavras bonitas, como “liberdade” e “autonomia”, o que era simplesmente uma reação ao Estado nascente e a sua necessidade de impor a lei e proteger os mais frágeis do simples abuso do poder sob a forma da força ou do dinheiro. O interregno liberal de dominação política dos liberais no século XIX teve esse sentido não de liberar o poder local das amarras do incipiente Estado, mas, sim, de usar a máquina do Estado para o mandonismo e privatismo sem peias e limites dos já poderosos. [...] Os novos tempos exigiam mudança na forma de dominação elitista da violência física das terras aumentadas por assassinatos e das eleições fraudadas para a violência simbólica da criação de uma nova hegemonia de classe. A violência simbólica significa a construção de uma nova concepção de sociedade adequada aos interesses dos proprietários. A reprodução da dominação econômica passa a exigir mais que a mera coação física, que se torna crescentemente ilegítima se aplicada aos “homens de bem”, como a classe média se percebia. Passava a ser necessário, percebia-se, ganhar o coração e as mentes das pessoas de bem, a classe média que se constituía, e contra a qual não se podia usar o chicote usado sem percalços contra os mais pobres. Esse é o contexto da criação da grande imprensa, das grandes universidades, do mercado editorial e do nascimento de uma esfera pública mais ampliada entre nós. Embora essas instituições já existissem no século XIX em caráter incipiente e circunscrito às elites, vai ser a partir dos anos 1920 e 1930 que uma esfera pública burguesa, tendo a classe média como público consumidor principal, vai passar a existir e influenciar a vida social, política e cultural do país. A constituição de uma esfera pública burguesa transforma a vida social e política de todas as sociedades ocidentais a partir da segunda metade do século XVIII. É importante que conheçamos sua especificidade para que possamos compreender o modo singular como ela se constitui no Brasil. Como essa esfera pública vai ser organizada de modo diferente entre nós do que foi na sua experiência europeia, é importante ressaltar sua estrutura social e política peculiar. Afinal, são esses processos de institucionalização de uma dada consciência moral e política que explicam as singularidades de uma dada sociedade. Quando não se faz esse dever de casa de pesquisador, é que temos os estoques culturais supostamente imutáveis explicando uma realidade de fato nunca compreendida. Apenas desse modo podemos perceber o que foi destruído na experiência democrática brasileira que nos fez tão suscetíveis aos golpes de Estado recorrentes. Como temos uma leitura economicista da realidade e olhos apenas para o PIB e o dinheiro, tendemos a não perceber a importância dos aprendizados societários simbólicos e morais.''

Jessé Souza, ''A elite do atraso''


14 de Abril

Não tem uma boa oratória, se atrapalha em alguns pontos e até troca alguns termos, mas apesar disso, esta é A MELHOR ANÁLISE DE CONJUNTURA QUE JÁ VI SOBRE O MOMENTO! Acerta em absolutamente tudo! Desde o contexto geopolítico global, passando por detalhes internos, desfazendo ilusões persistentes e dando um choque BRUTAL de realidade em todos os lados da questão. A crítica ao PT é seguramente a melhor e mais urgente possível!


CASTAÑON ANALISA PRISÃO DE
LULA E POSIÇÃO DO PT E DE CIRO

Não de deixe enganar pela foto de perfil ou pelo começo meio melodramático. A lucidez da análise é magnânima! (Obs: caso o vídeo não funcione, faça o download AQUI. Ou assista-o no YOUTUBE.)

13 de Abril - 23:07

A Guerra Fria não acabou. Só tinha esfriado mais, se congelando, se preservando...

13 de Abril - 16:04

Nunca na vida pensei que eu diria uma coisa dessas mas... PERFEITO! Juro que eu gostaria de ter escrito isso!

Gustavo Castañon
12 de Abril

QUEM NÃO PEDE NEM OPINIÃO PODE EXIGIR APOIO INCONDICIONAL?

Lula pediu opinião do Ciro antes do Mensalão? Pediu quando deu Furnas para o Cunha? Quando loteou a Petrobrás entre "aquela gente"? Quando o PT hegemonizou a esquerda brasileira na base do dinheiro de doação empresarial em vez de fazer a reforma política? Quando traiu Ciro e não deixou ele ser candidato nem no PSB? Quando com 80% de popularidade em vez de convidar ele ou qualquer outro para vice da Dilma colocou na linha de sucessão um quadrilheiro conhecido? Quando depois do undécimo apoio de Ciro o PT traiu 54.5 milhões de votos apoiando (ou obrigando Dilma a?) um choque de juros que ajudou a atirar o país na pior recessão de sua história? Quando pediu Meirelles ministro da Fazenda?

Porra nenhuma.

Porra nenhuma.

Então vejam, não há um centímetro da carreira de Ciro que o PT tenha dado para ele. Quem apoia Lula há vinte anos com capital político próprio é Ciro. Tudo o que o PT e Lula ganharem de Ciro agora, é bonus track.

Tem que lamber os beiços, companheirada, que Ciro não está colocando a mão na cara de todo mundo e usando os adjetivos da direita. Que Ciro fale toda vez que perguntado que acha Lula inocente da acusação do triplex. Que acha que a prisão de Lula é injusta e inconstitucional. Que mande mensagem de solidariedade e lembre sempre o bem que Lula fez ao Brasil. Que diante da prisão intempestiva de Moro, quando estava fora do país, tenha mandado a São Bernardo a pessoa mais próxima na vida para prestar-lhe solidariedade, seu irmão. Que queira entrar numa cela de Polícia Federal para visitá-lo no seu momento mais radiativo e frágil. Que não trate o PT com os adjetivos que todos os outros candidatos a presidente exceto Manuela e Boulos tratam.

Olha que banquete de generosidade companheirada!

Que vinte anos de banquete de generosidade!

Ciro não seguirá a pauta e eventos do PT porque é uma questão de sinalização política de que ele não é liderado de Lula nem responde ao PT. É por isso que não foi ao evento do Circo Voador mas tenta visitar o Lula em Curitiba: porque o primeiro é agenda do PT e o segundo é agenda dele.

Ciro quando perguntado respondeu que achava considerar Lula um preso político uma "forçada de mão"? Eu acho um erro, mas e daí? Isso se compara a um único dos erros do PT? Ele não quer e não está em posição de confrontar as instituições, quer ser o candidato do restauro das instituições.

Pelo jeito nem o PT nem José Eduardo Cardoso acham Lula preso político, pois pediram para ele se entregar ao invés de levá-lo a uma embaixada que é o que perseguidos políticos fazem. É Ciro que tem que sequestrá-lo contra sua vontade? Assumir o discurso que Lula não assume pois espera instâncias superiores? Isso é o que Ciro fez vinte anos, mas agora o candidato de verdade é ele, não Lula. O resultado dos acordos e genialidade política de Lula foram sua desabilitação e encarceramento.

O PSB lançando o carrasco de Dirceu e Genoíno não recebe do PT o tratamento que temos recebido através de tantos blogueiros, articulistas e prepostos do partido.

É esse tipo de comportamento que construiu no Brasil o ódio ao e o isolamento do PT, não somente a campanha da Rede Globo.

Não querem apoiar, que seja, mas respeitem o passado e ao menos, se não consideram o PDT mais aliado, respeitem um concorrente do campo no momento.

Deixem Ciro tentar o caminho dele em paz, com respeito, ataquem o neoliberalismo e a dissolução da ordem institucional, não quem também está combatendo isso do seu jeito, ou respondam por mais essa decisão do PT com o futuro de nossas crianças para a história.


13 de Abril - 11:56

André Luiz Dos Reis
13 de Abril

Recordar é viver.

Boa parte da esquerda que se autodenomina ''moderna'', e que eu chamo de social liberal e pós-moderna, faz parte do mesmo problema estrutural do liberalismo, no fim das contas, por causa da perspectiva que possuem sobre o processo histórico.

São todos neotrotskystas e filhos de Wallernstein, acreditam num sistema mundial que vai se dividir inexoravelmente em uma classe burguesa mundial e um proletariado global, e em uma cultura cosmopolita global funcionando a partir de uma governança também mundial.

Ele vêem na ocidentalização do mundo e na exportação da democracia processos inevitáveis da lógica de domínio capitalista que, por pior que seja, é etapa imprescindível, pensam, para estabelecer as condições da futura revolução mundial. [do mesmo modo que Marx via no etnocídio inglês na Índia uma etapa de avanço rumo ao socialismo.]

É a oposição que os liberais pediram ao diabo, porque concordam com eles no principal, no estabelecimento de uma civilização cosmopolita e de instituições liberal-burguesas.

São, no fundo, altermundialistas, na linha de Negri, e que encaram a oposição ao "Império"como retrógrada se feita em nome de etnicidades, religiões e conjuntos de ideias antimodernos, do mesmo modo que Marx encarava como indesejável a oposição camponesa e nobiliárquica à burguesia.


11 de Abril

Rodrigo Mat
10 de Abril

Depois do vídeo editado do mamãe apanhei, creio que foi não o Ciro mas a mão invisível do mercado que deu o pescotapa


8 de Abril

E ainda digo que passada a pressão política será O MAIOR constrangimento da história jurídica brasileira, bem como uma das maiores manchas da nossa já vergonhosa história política.

André Luiz Dos Reis
8 de Abril

Agora que o processo foi praticamente concluído, tendo por resultado a prisão de Lula, reafirmo a minha posição sobre o caso.

Li os autos, acompanhei o processo e sei que as provas apresentadas pelos acusadores são indiciárias e reforçadas, basicamente, pelo testemunho de Léo Pinheiro -- que agia sob delação premiada.

Há toda uma discussão jurídica sobre o valor, o peso, a necessidade e a capacidade das provas indiciárias levarem à condenação, principalmente em processos de corrupção e lavagem de dinheiro.

Por isso, aceito a posição daqueles que se convenceram da culpabilidade de Lula baseados nas provas indiciárias que constam dos autos.

Mas seria desonesto negar a possibilidade do contrário. Eu, particularmente, considero o conjunto probatório de uma fragilidade acachapante, tonitroante e arrasadora.

E se notarmos as ações empreendidas pela Força Tarefa da Operação Lava Jato, agentes do Ministério Público e pelo juiz Sérgio Moro no decorrer do processo, não há como deixar de notar o acúmulo de excepcionalidades em torno da acusação contra Lula, que vão desde a divulgação ilegal de áudios, união entre o aparato jurídico e a mídia e manifestações políticas de juízes e procuradores até as ilações das mais constrangedoras trazidas a público e a celeridade extraordinária do processo.

Na medida em que as paixões e implicações políticas do caso se enfraqueçam nas próximas décadas, ele vai se tornar objeto da mais vívida polêmica, inclusive nos meios jurídicos, e corre o risco de vir a ser o exemplo mais acabado de ''tenentismo jurídico'' e lawfare na História recente da República.

Uma observação: estou me posicionando principalmente sobre o caso do triplex, não tive acesso aos demais processos a que Lula vai responder. Mas desconfio que as evidências pra eles sejam ainda mais frágeis. O que torna ainda mais estarrecedora, pelo menos até aqui, a convicção de alguns de que o ex-Presidente é o líder de uma quadrilha de propinas na burocracia brasileira.

Mais uma observação, essa a última dessa postagem: meus comentários aqui são feitos de modo desapegado, e expressam meu entendimento sobre a questão. Eu não ficaria surpreso de modo algum se Lula aceitasse de fato vantagens e favorecimentos de empresários amigos. Isso em nada mudaria o que penso dos caminhos políticos associados à Operação Lava Jato, ao impeachment de Dilma etc. Mas, depois de ler e reler os temas referentes a esse caso jurídico específico não dá pra notar aquilo que eu definiria como uma ânsia persecutória e mal intencionada planejada, dirigida e executada contra Lula. Antes que me acusem, não sou petista, não votei em Dilma, não votaria em Lula nas próximas eleições.


5 de Abril

Se Lula e o PT querem o bem do país, é hora de apoiar Ciro Gomes. Haddad vice.

4 de Abril

Se tem algo que todo mundo deveria entender é que não existe essa de pessoas politica e ideologicamente inconsequentes aprenderem com seus supostos erros. Do tipo, "Vai votar na Dilma, tomara que ela ganhe mesmo para você aprender!"; "Foi a favor do impeachment? Agora toma uma Reforma na fuça pra ver o que é bom!"; "É a favor da Intervenção Militar? Tomara que venha mesmo pra você quebrar a cara!"

NÃO! Não funciona! As poucas pessoas capazes de reavaliar suas convicções após exame racional e amplo dos fatos são raras e podem fazê-lo mesmo sem um choque de realidade.

Na maioria das vezes, os analfabetos políticos são incapazes de aprender, e continuarão defendendo suas imposturas mesmo que elas sejam clara e diretamente relacionadas aos seus piores infortúnios. Preferirão entrar em esquizofrenia profunda mesmo que sob intenso sofrimento para continuar defendendo suas ilusões e preconceitos, colocando a culpa dos males que sofrem naquele mesmo bode expiatório anterior ainda que ele já esteja completamente fora do jogo.

Portanto, não deseje o mal do país na vã esperança de que os que ajudaram o encaminhá-lo ao rumo trágico aprendam, se arrependam e se aperfeiçoem, para que você possa ainda posar de presciente e dizer do alto de um pedestal: "Eu não disse?!"

Há a pequena minoria que de fato se corrige, mas a grande maioria apenas se constrange e silencia, nunca realmente admitindo que estava errada, e apenas esperando o momento certo para voltar a alardear a mesma estupidez. A única forma de mudar isso é sob consequências brutais, como assassinatos, torturas e genocídios, porque aí se atinge diretamente as bases mais primárias da percepção. Mas enquanto houver cadeias mais complexas entre as causas e os efeitos, não espere que os ideologicamente preguiçosos sejam capazes de compreender conexões que exijam real esforço cognitivo.

E além da questão racional, ainda mais grave é a emocional, como diz uma genial frase que o personagem Dumbledore diz na obra de J.K.Rowling, "É mais fácil perdoar os amigos quando eles estavam errados do que quando estavam certos." E devido à paixão que a maioria nutre não pelo processo intelectual pelo qual chegou a suas conclusões, mas apenas pela aparência estética de suas "certezas" comunicadas mimeticamente, a escolha termina sendo sempre mais ressentimento do que real aperfeiçoamento.

2 de Abril - 12:21

INTERESSANTÍSSIMO esse simulador de Teoria dos Jogos sobre comportamentos humanos, que consegue traduzir de forma divertida conceitos previstos na Psicologia Evolutiva, Sociologia ou mesmo Filosofia a respeito de questões éticas em sua dimensão mais ampla.

THE EVOLUTION OF TRUST

Dá uma boa ideia de como funciona a dinâmica de cooperação e não cooperação numa sociedade, mostrando porque as condutas retributivas previdentes e pragmáticas prosperam e ajudam a manter o sistema social estável, e como condutas egoístas, quando maximizadas, destroem tudo.

2 de Abril - 11:46

Dissidência Política do DF
2 de Abril

Muito se fala, na Dissidência, em estruturas sociais orgânicas, aquelas que surgem e se ordenam espontaneamente com fortes raízes tradicionais obedecendo um impulso derivado das necessidades reais e intrínsecas de uma população. Sendo assim, como a Dissidência Política do DF lida com o fato de que Brasília, que é frequentemente confundida com o próprio Distrito Federal, seja talvez uma das cidades menos orgânicas do mundo?

Brasília tradicionalmente compreende vários bairros que passaram por alterações administrativas e territoriais, mas seu núcleo pode ser resumido nos bairros Asa Sul e Asa Norte divididos pelo Eixo Monumental, onde se encontra, por exemplo, a Esplanada dos Ministérios, o Congresso Nacional e outros órgãos federais à leste da Rodoviária, o Marco Zero, ao redor do qual estão shoppings e hotéis, enquanto à oeste ficam os órgãos distritais, além de inúmeras outras instalações.

O conceito primordial de Brasília é a da Super Quadra, no qual as exclusivamente residenciais (centenas 100 a 400) são quadrados de mais de 250 metros de lado dentro dos quais se distribuem prédios horizontais de, por lei, no máximo 6 andares, ampla área verde, parques e quadras esportivas, podendo haver escolas e igrejas, mas cujo único comércio permitido são bancas de revistas. Mas em uma das laterais desse quadrado há um comércio local, de frente para outro comércio local de outra SQ, que disponibilizam serviços básicos como padarias, drogarias, bares e lojas diversas. Algumas quadras tem comércios mais especializados, como as que concentram lojas de iluminação e elétricas, nas SQS 109/110, ou lojas de informática, nas SQN 207/208.

Das demais SQ (que podem ser Norte ou Sul) as 500 são comerciais, as 600 abrangem escolas, outros órgãos públicos, hospitais ou universidades. As 700 misturam casas residenciais com comércio mais diversificado, as 800 abrangem embaixadas, clubes, o campus universitário da UnB (a universidade federal), estações de tratamento de esgoto (às margens do Lago Paranoá), e as 900 concentram universidades privadas, centros empresariais diversos, centros hospitalares e outros.

Vale lembrar que as quadras de centenas pares 200, 400 etc, ficam à leste do Eixão, que corta toda a cidade na direção Sul-Norte, ao passo que as centenas ímpares ficam à oeste, contando-se alternadamente de dentro para fora. Portanto, as 800 não ficam nada perto das 900. E as unidades só vão de 1 a 16. Portanto, não existe qualquer SQ terminada em 17 para cima. Além de excepcionalmente faltarem residências nas quadras 413 e 414 (que não tem nem comércio) pois ambas constituem o Parque Olhos D'Água.

Mas o que realmente interessa aqui é que mesmo quem jamais tenha ouvido falar de Brasília, apenas por esse breve relato, já percebeu que se trata de algo completamente diferente de qualquer outra cidade, que em geral segue o princípio de uma Igreja Matriz numa praça ao redor da qual surgiram residências e comércios que com o tempo foram se organizando sem planejamento prévio.

Brasília é uma cidade planejada desde o princípio, segundo um espírito iluminista de ordenação racional, com certa influência comunista, resultando numa organização cartesiana. Você não precisa de experiência alguma para, estando na SQN 304, ou 304 Norte, saber exatamente para que lado fica a SQS 410. Em Brasília não existe o típico "não saber onde é a rua tal", aliás, só há "ruas" num sentido informal, como a entre quadras 107/108 Sul, apelidada de "rua da igrejinha". Uma vez ciente do princípio básico, você saberá exatamente onde é uma localidade mesmo sem jamais ter passado perto dela.

É verdade que alguns aspectos ideais do planejamento originário foram descartados devido a questões materiais, bem como já havia algumas habitações prévias à década de 1960 (algumas permanecem até hoje), mas ainda assim é fato de que não há uma ampla tradição ou uma história autóctone de séculos que dê substância orgânica à cidade. Foi uma criação artificial para ser preenchida com imigrantes de diversos estados, com destaque para Rio de Janeiro e alguns estados do Nordeste.

Essa artificialidade teve como consequência uma certa aversão à cidade em seus primeiros habitantes, especialmente os cariocas, muitos tendo vindo a contragosto de uma metrópole mundialmente famosa a beira do mar, a "Cidade Maravilhosa", para um cerrado a mais de mil metros de altitude com clima e umidade por vezes comparável aos do deserto do Saara. Com isso, durante décadas a cidade apresentou a dinâmica rígida de um local de trabalho, do qual se evade nas férias ou mesmo feriados prolongados.

A ausência de um "centro" propriamente dito, os longos espaços inabitados a serem percorridos de alguns locais residenciais até o comércio, uma certa dependência maior de veículos próprios que a média das demais cidades, e até a errônea mas persistente fama da ausência de mulheres na cidade (que só foi parcialmente verdade nos primeiros anos da construção) contribuíram para reforçar essa má impressão.

Mas o importante é apontar que provavelmente não foram esses elementos isolados que conferiram essa dificuldade de adaptação, mas justo a falta de organicidade espontânea, de raízes, tornando a identificação com a cidade difícil e permitindo, incentivando e até legitimando uma onda de difamações nas mais variadas formas, indo de letras de bandas de rock, filmes ou livros onde o desprezo, se não ódio, a Brasília chegaram a configurar quase um senso comum no restante do país.

A isso soma-se o preconceito surreal de que todos os habitantes da cidade são políticos ou relacionados a eles, embora a grande maioria dos brasilienses nunca tenha passado perto de um congressista na vida ou se o tenha, não o reconheceria, ou que sejam todos funcionários públicos. Mas mesmo no recorte mais extremo, que foca apenas as áreas mais próximas das residências funcionais e ainda inchando o número com funcionários públicos distritais, trabalhadores celetistas, comissionados e cargos de confiança, estes não chegam sequer a 40% da população economicamente ativa. Na proporção geral, englobando áreas mais distantes, essa proporção cai drasticamente, e na média do DF não chega a 5%.

E apesar de tudo isso, a maior prova de que os problemas de adaptação vieram justo essa falta de organicidade, está no fato de que agora, quase 60 anos após a inauguração, a cidade já comece a ter uma tradição e algum enraizamento. Já se reconhecem gírias e até sotaques, muitos artistas brasilienses se projetaram Brasil afora, e temos uma nova geração nascida de pais e mães nativos da cidade, algo evidentemente impossível nas primeiras décadas.

É justo isso que melhora a percepção da capital pelos seus próprios habitantes, e consequentemente, sua percepção externa, demonstrando que somente um aprofundamento sócio cultural orgânico, capaz de engendrar uma tradição, uma identidade, e um senso de coletividade, pode resultar num espaço populacional digno de uma vida com significado, que transcende o mero horizonte individual e econômico, no caso do trabalhador que se via num espaço funcional onde ele apenas ganha o seu dinheiro, mas que vê sua verdadeira vida e identidade noutro local.

Ainda que sua artificialidade não seja total, visto que ainda se conecta diretamente com cidades próximas com muito maior organicidade, Brasília ainda assim serve como exemplo de um processo de criação de identidade, uma experiência que demonstra que sem raízes, sem cultura profunda, sem conexões familiares e sem tradição popular, nenhum local será digno de ser chamado de "minha terra", "nossa casa" ou "lar doce lar".

www.facebook.com/DissidenciaPoliticaDF

dissidenciapoliticadf.blogspot.com.br




MARÇO DE 2018
FEVEREIRO DE 2018
JANEIRO DE 2018

DEZEMBRO DE 2017
NOVEMBRO DE 2017
OUTUBRO DE 2017
SETEMBRO DE 2017
AGOSTO DE 2017
JULHO DE 2017
JUNHO DE 2017
MAIO DE 2017
ABRIL DE 2017
MARÇO DE 2017
FEVEREIRO DE 2017
JANEIRO DE 2017

DEZEMBRO DE 2016
NOVEMBRO DE 2016
OUTUBRO DE 2016
SETEMBRO DE 2016
AGOSTO DE 2016
JULHO DE 2016
JUNHO DE 2016
MAIO DE 2016
ABRIL DE 2016
MARÇO DE 2016
FEVEREIRO DE 2016
JANEIRO DE 2016

DEZEMBRO DE 2015
NOVEMBRO DE 2015
OUTUBRO DE 2015
SETEMBRO DE 2015
AGOSTO DE 2015
JULHO DE 2015
JUNHO DE 2015
MAIO DE 2015
ABRIL DE 2015
MARÇO DE 2015
FEVEREIRO DE 2015
JANEIRO DE 2015

DEZEMBRO DE 2014
NOVEMBRO DE 2014
OUTUBRO DE 2014
SETEMBRO DE 2014
AGOSTO DE 2014
JULHO DE 2014
JUNHO DE 2014
MAIO DE 2014
ABRIL DE 2014
MARÇO DE 2014
FEVEREIRO DE 2014
JANEIRO DE 2014

DEZEMBRO DE 2013
NOVEMBRO DE 2013
OUTUBRO DE 2013
SETEMBRO DE 2013
AGOSTO DE 2013
JULHO DE 2013
MARÇO À JUNHO DE 2013
FEVEREIRO DE 2013
JANEIRO DE 2013

DEZEMBRO DE 2012
NOVEMBRO DE 2012
OUTUBRO DE 2012
SETEMBRO DE 2012
AGOSTO DE 2012
JULHO DE 2012
JUNHO DE 2012
MAIO DE 2012
ABRIL DE 2012
MARÇO DE 2012
FEVEREIRO DE 2012
JANEIRO DE 2012

NOVEMBRO-DEZEMBRO DE 2011
SETEMBRO & OUTUBRO DE 2011
JULHO & AGOSTO DE 2011
ABRIL-JUNHO DE 2011
MARÇO DE 2011
FEVEREIRO DE 2011
JANEIRO DE 2011

DEZEMBRO DE 2010
NOVEMBRO DE 2010
OUTUBRO DE 2010
SETEMBRO DE 2010
AGOSTO DE 2010
JULHO DE 2010
JUNHO DE 2010
MAIO DE 2010
ABRIL DE 2010
JANEIRO A MARÇO DE 2010

2009 DEZEMBRO
2009 NOVEMBRO
2009 OUTUBRO
2009 SETEMBRO
2009 AGOSTO
2009 JUNHO
2009 MAIO
2009 MARÇO & ABRIL
2009 FEVEREIRO
2009 JANEIRO

NOVEMBRO & DEZEMBRO 2008
OUTUBRO 2008
SETEMBRO 2008
AGOSTO 2008
JULHO 2008
JUNHO 2008
MAIO 2008
ABRIL 2008
MARÇO 2008
JANEIRO & FEVEREIRO 2008

2007 DEZEMBRO
2007 NOVEMBRO
2007 OUTUBRO
2007 JULHO & AGOSTO
2007 MAIO & JUNHO
2007 MARÇO & ABRIL
2007 JANEIRO & FEVEREIRO

OUTUBRO a DEZEMBRO 2006
SETEMBRO 2006
AGOSTO 2006
JULHO 2006
MAIO & JUNHO 2006
ABRIL 2006
MARÇO 2006
JANEIRO & FEVEREIRO 2006

2005 NOVEMBRO & DEZEMBRO
2005 SETEMBRO & OUTUBRO
2005 JUNHO a AGOSTO
2005 MAIO 2005
2005 MARÇO & ABRIL
2005 FEVEREIRO
2005 JANEIRO

DEZEMBRO 2004
NOVEMBRO 2004
OUTUBRO 2004
SETEMBRO 2004
AGOSTO 2004